Estacionar o carro na principal avenida da cidade

I

No sítio oficial do turismo da capital francesa, ao automobilista que pretende deslocar-se de carro na cidade, começa-se por alertar que essa «não é a melhor forma», para se acrescentar, de seguida, que «o estacionamento dentro de Paris raramente é fácil e pode mesmo constituir um verdadeiro quebra-cabeças».
I
Num portal de informações sobre a capital francesa, ainda hoje se conta, com ironia, a história de um cibernauta (seria português?) que, no Verão de 2009, tentou, nesse sítio, obter informação sobre onde é que poderia estacionar gratuitamente o seu carro naquela avenida - para de seguida se explicar que «o estacionamento nos Campos Elísios não é gratuito e, sobretudo, é proibido!» e se acrescentar que é inútil tentar estacionar na avenida escapando à fiscalização policial, já que a polícia não perdoa quem o fizer.
I
[Até porque, diz-se, a Prefeitura de Polícia está empenhada em «dar aos Campos Elísios a melhor imagem possível junto dos turistas» (interessante esta associação do estacionamento na avenida à “má imagem”: muitos portugueses serão incapazes de entender isto)].
I

I
I



O estacionamento na principal avenida parisiense foi abolido há muitos anos. Em algumas áreas delimitadas da avenida, é possível parar na via da direita para largar passageiros ou para as operações de cargas e descargas (com o limite, salvo erro, de 10 minutos) e esse é o único estacionamento permitido ao longo dos dois quilómetros de extensão da avenida.
I
A alternativa é estacionar num parque de estacionamento subterrâneo – se houver lugar.
I
.-.-.-.-.-.-.-.-
I
No sítio oficial do turismo de Lisboa, quase nos convidam a visitar a cidade de carro: depois de se dizer que «Lisboa é uma cidade de fácil acesso», acrescenta-se, sobre o acesso por carro, que «vir a Lisboa através de um meio rodoviário é uma viagem agradável, povoada por paisagens campestres ao longo do caminho. A cidade tem bons acessos viários». Em relação aos restantes meios de transporte, já não se fala em "paisagens campestres", nem tão-pouco de "viagem agradável". Apetece aceitar o "convite" e escolher o carro.
I
Na principal avenida da capital portuguesa, esse convite está presente por todo o lado - para os turistas, para toda a gente.
I
Na Avenida da Liberdade – com cerca de metade da extensão daquela avenida francesa – e na sua envolvente existem vários parques de estacionamento subterrâneos. Mas à superfície a realidade é radicalmente diferente daquela que encontramos na principal avenida parisiense. Para a documentar para a posteridade, enchi-me de coragem e, aproveitando a ida à Feira do Livro, esta semana percorri, carregada de livros, a avenida lisboeta nos dois sentidos (repeti no sentido descendente, apostada em intoxicar-me).
I
I
O primeiro quarteirão, no sentido descendente, é enganador:
I

I
Uma linha contínua amarela assinala a proibição de estacionar. Mas, na prática, os veículos não só estacionam, como estacionam em cima do passeio, cuja largura já deixava muito a desejar:

I
I
I
I
Este "simpático" equipamento de publicidade, de que a autarquia instalou vários exemplares ao longo da avenida, engole metade do passeio. Se alguém se cruzasse com estas duas pessoas, seria o suficiente para uma delas ter de se desviar. Mas ao lado há lugares de estacionamento - e estes são "legais": a partir do segundo quarteirão, a oferta de estacionamento à superfície é completamente absurda.
I

I
Ao longo da avenida, vão sendo assinalados vários parques de estacionamento subterrâneos (para trás ficou já o grande parque subterrâneo do Marquês de Pombal). Mas nem por isso o estacionamento à superfície foi eliminado (o que permitiria, por exemplo, aumentar significativamente a largura do passeio): há lugares de estacionamento nos dois lados da faixa de rodagem.

I
I
I
Não satisfeitos com todo o espaço de estacionamento de que já dispõem, muitos automobilistas invadem parcialmente o passeio (imagem de cima).

I
I
Até os táxis invadem o passeio à espera de lugar na praça de táxis.
I
Olho para a esquerda e espreito a faixa de rodagem central da avenida:
I

I
Que pena não ter tempo para me sentar naquele banco e ficar a respirar o ar que, certamente, será puro ou perto disso.
I
A placa avisa: "Atenção: ZONA DE ACIDENTES". Zona de acidentes?! Às vezes custa a acreditar que estamos no centro da cidade.
I

I
I
I
I
I
Todo este estacionamento parece não chegar: de vez em quando, do lado esquerdo, surgem parques de estacionamento (imagem de cima): parece que não se descobriu outra forma de ocupar esses espaços.

I
I
Pode facilmente imaginar-se o ar que se respira nesta esplanada. Esplanada que, por sinal, engole quase todo o passeio: ali só passa uma pessoa de cada vez (vá lá, duas magrinhas talvez ainda passem). Ao lado, há espaço para lugares de estacionamento, claro...

I
I
I
O passeio estreita: mas continua a haver lugares de estacionamento ao lado.I

I
Algumas destas imagens ajudam a perceber por que é que estamos a falar de uma avenida que tem, com muita frequência, níveis de poluição do ar perigosos para a saúde.

I
I
I
I
I
(continua: clique aqui para ler o resto do artigo)

13 comentários:

Luís Lavoura disse...

Tenho a impressão que, se os edis de Lisboa satisfizessem as pretensões da Joana e eliminassem estes lugares de estacionamento (alargando o passeio, por exemplo), seriam acusados por autarcas da esquerda (PCP em particular) de estarem mancomunados com as empresas proprietárias dos parques de estacionamento subterrâneos com o fim de lhes arranjar clientela.

madeinlisboa disse...

Tão bom que é NÃO passear em Lisboa....

Helder disse...

Depois te ter ficado entre o irritado e o triste a ler o post confesso que me ri bastante com o comentário do Luis, mas...se não fôr a Esquerda é outro qualquer, ou algumas centenas de eleitores, perdão, automobilistas.

Madalena disse...

"PCP em particular"? Ó meus amigos, estão enganados: até o PCP tem lugares de estacionamento reservados na av. Liberdade!

Madalena disse...

Ou pelo menos tinha, há uns tempos. Lembro-me bem de reparar nisso.

João Rosa disse...

Estou a ver, agora vocês apagam os comentários incómodos. Que tristeza!

The Caped Crusader disse...

O que é triste é tu seres um completo mentecapto, ó joão rosa.

Tiago disse...

Joao: O Blog e das donas, entra ca quem elas querem. Nao gosta? Simples, faca o seu. Isto nao e pago com dinheiros publicos, muito menos ocupa frequencias reguladas.

Voltando ao tema.

Conheco um caramelo Portugues que estacionou MESMO nos campos eliseos. E claro que foi rebocado (quando voltou, o carro ja nao la estava).

Joana disse...

João Rosa, não apagámos nada. Foi uma falha do Google, em consequência da qual o artigo e os comentários foram eliminados. Ver notícia AQUI

Tomás de Almeida disse...

Outro problema absurdo na avenida é a passagem entre os passeios, quando há uma rua a intersetar a avenida. O peão caminha no largo passeio, e quando chega à interseção, não encontra semáforos para peões, não está assinalado na estrada onde deve passar, é obrigado a atravessar num espaço mínimo, no extremo do passeio, e, pior que tudo, quando há dois sentidos de trânsito, o peão atravessa as duas faixas de um sentido, e depois tem de caminhar num passeio minúsculo para atravessar as outras duas faixas. Dá para perceber do que falo aqui http://goo.gl/fy3fN

Entretanto abriram os vários quiosques com esplanadas, muito bem conseguidos, e certamente trarão mais animação à avenida.


O problema das laterais poderia ser resolvido de forma viável. É óbvio que não se pode acabar com o trânsito, já que é necessário fazer as ligações às ruas secundárias, mas é possível limitar. Começava-se por retirar o estacionamento à superfície, havendo estacionamento no Marquês de Pombal e Restauradores, no máximo poderia-se permitir alguns lugares a proprietários dos prédios, mas os lugares teriam de ser devidamente identificados, colocados onde não tapam nada relevante, e requerendo uma identificação do carro.

Isto já reduzia algum do trânsito, e deixava a avenida com um aspecto mais limpo. Podia-se ainda reduzir a velocidade para 30 ou menos.

Trocava-se o pavimento por paralelepípedos, dando a ideia de continuidade do passeio (sem pilaretes). Com poucos ou nenhum carro estacionado e menos e mais lento trânsito, as pessoas poderiam fácil e naturalmente passar do passeio central para o lateral, para ir a uma loja, por exemplo.

SRT disse...

"O problema das laterais poderia ser resolvido de forma viável. É óbvio que não se pode acabar com o trânsito, já que é necessário fazer as ligações às ruas secundárias".

Não percebo porque é que é "óbvio". O acesso às ruas transversais pode fazer-se pela faixa do meio.

Tomás de Almeida disse...

Nem todas as ruas secundárias estão ligadas à faixa do meio.

SRT disse...

Ok, mas a meia dúzia de ruas que não têm acesso de carro pela faixa do meio têm acesso por outro lado, sem ser pela Av. da Liberdade. O acesso por carro fica mais dificultado? Fica. Isso é mau? Não, pelo contrário. Ficávamos com uma avenida extraordinária? Sem dúvida.