Estacionar o carro na principal avenida da cidade (continuação)

I
I
(continuação; clique aqui para ler o início)
I
I
I
Desde que me conheço, julgo que nunca vi a Avenida da Liberdade sem obras. E nos locais onde elas acontecem, o repugnante desrespeito pelos peões mantém-se: não houve evolução.

I

I
Não pode estar em causa a falta de espaço, pois continua a haver espaço para lugares de estacionamento automóvel ao lado. A mensagem é clara: as pessoas que se deslocam a pé nesta avenida são menos importantes. E por bonitos que sejam os discursos de ocasião, isto não muda. É inacreditável: nem nestas situações se eliminam lugares de estacionamento!

I
I

Entretanto, mais um parque de estacionamento ao lado (imagem de cima). Quem venha no passeio central da avenida, tem de contornar esse parque, através da estreita faixa de passeio que sobra ao lado da paragem de autocarros:



I
 
Já se sabe: não havia espaço para mais. Não se iam tirar lugares de estacionamento, que horror!

I
I

Olho, ao longe, o edifício do antigo Hotel Vitória e finjo não ver o estacionamento ilegal.
I
Embora às vezes seja difícil abstrair:I


I
I
I

Quando passei a segunda vez, este simpático veículo em cima da passadeira já tinha companhia do outro lado:I

I

Mais obras - e a passagem dos peões é isto:

I
I
I

Mas continua a haver espaço para estacionamento automóvel!...
I
Para se ter uma ideia do local por onde os peões passam e das suas condições de segurança:
I
I
Embora se perceba mal no vídeo, o barulho, nesta altura, era infernal.
I

I

De vez em quando, olho para as ruas laterais:

I
I

Estamos no centro da capital do país...
I
I
Estou a chegar aos Restauradores. Debaixo do solo, há um grande parque de estacionamento subterrâneo. À superfície, lugares de estacionamento, estacionamento em segunda fila e estacionamento em cima do passeio:

I
I
I

O fim da avenida, no Largo dos Restauradores. Mesmo aqui há mais lugares de estacionamento à superfície.
I
I
Encho-me de coragem para subir pelo outro lado da avenida. Será diferente?
I
Mais estacionamento:
I



I
Mais obras e o mesmo desrespeito pelos peões, por parte de quem as autoriza:
I
I

Como se vê, para não variar, continua a haver lugares de estacionamento ao lado.
I
Também deste lado da avenida há parques de estacionamento do lado esquerdo:

I
I
I

Mais obras. Mais desprezo pelos peões - e sempre com lugares de estacionamento ao lado:

I
I
I

Tudo se repete: mais um parque de estacionamento do lado esquerdo:
I

I

Mais lugares de estacionamento... e mais... e mais... Um exército de "pês":

I
I
I
I
I

Carros por todo o lado e um ar muito poluído.
I
[É preocupante pensar que há muita gente que, de tanto habituada, já nem se apercebe da péssima qualidade do ar que aqui se respira].

I
I

Finalmente, o último quarteirão. Para não variar, cheio de estacionamento:

I
I

A Avenida da Liberdade foi, no século XIX, construída à imagem da principal avenida parisiense. Hoje, são avenidas radicalmente diferentes.
I
Na avenida parisiense, numa cidade de mais de dois milhões de habitantes, centro de uma metrópole de 12 milhões, foi possível acabar com estacionamento (e trânsito!) nas faixas laterais. Relativamente à avenida lisboeta, quais vão ser os autarcas que vão querer ficar na história da cidade?
I
Joana

I

7 comentários:

Meg disse...

Isto é pornográfico...

Já agora, estou algo curiosa quanto ao estacionamento subterrâneo... É possível da próxima vez ir verificar se ele está de facto a rebentar pelas costuras? É que se está assim à superfície imagino lá em baixo... ;););)

Beatriz disse...

«É preocupante pensar que há muita gente que, de tanto habituada, já nem se apercebe da péssima qualidade do ar que aqui se respira».

Percebo-te bem, Joana. Tenho amigos em Lisboa que me dizem que não sentem poluição nenhuma na avenida!! Eu quando venho a Lisboa vinda de Oeiras sinto logo o ar poluído da cidade. Não sei bem se a avenida da liberdade é a mais poluída, mas que tem um ar muito poluído, lá isso tem. Falo durante a semana, porque no fim de semana melhora. É uma boa ideia esta da câmara de lisboa procurar trazer mais pessoas para passear na avenida, mas para me convencerem não basta porem lá uns quiosques (a barrar a alameda!) e umas esplanadas. Enquanto a avenida continuar assim como bem se retrata neste post, não ponho lá os pés para passear ou para estar numa esplanada. Só lá passo obrigada.

FeminineMystique disse...

Ha' mais de dez anos, quando vim morar para Lisboa, experimentei uma vez descer a Avenida da Liberdade pelos passeios centrais, e ia dando em maluca... claro que rapidamente constatei que nao ha' continuidade pedonal, e que temos que andar a fazer gincana a atravessar de um lado para o outro, a fintar mobiliario urbano mal colocado, carros mal estacionados. Mas o pior de tudo foi mesmo o ar irrespiravel e o barulho insuportavel dos carros. Jurei para nunca mais, e agora so' desco aquela avenida em manifestacoes ou em provas de atletismo pois sao as unicas situacoes em que a avenida e' cortada ao transito automovel. De resto, so' de metro ou autocarro...

FeminineMystique disse...

queria dizer "...agora so' desco aquela avenida A PE' em manifestacoes..."

Fernando Paulo disse...

Penso que seria uma boa ideia construir um túnel desde o Marquês até aos Restauradores, para pôr os carros a passar em baixo (e sem cruzamentos andam mais rápido), mas não sei se é viável por causa do túnel do metro. E também faz falta um parque de estacionamento subterrâneo mais ou menos a meio da avenida, que talvez desse para tirar alguns lugares de estacionamento cá em cima.

FeminineMystique disse...

@Fernando: cavar tuneis em Lisboa tao perto da Baixa e' enterrar o dinheiro de todos no's, se nao pelos achados arqueologicos, entao pela agua que ha' no subsolo.
Alem disso, sabe-se muito bem que quanto mais estacionamento ha', mais as pessoas usam o carro. E quanto menos fiscalizacao do estacionamento ilegal ha', tambem mais as pessoas usam o carro.
O problema e' que o espaco publico e' limitado e nao se pode estar sempre a pedir mais espaco para estacionar.
Ou queremos ter um dia destes carros a concorrer nas eleicoes?!

Joana disse...

«Mas o pior de tudo foi mesmo o ar irrespiravel e o barulho insuportavel dos carros».

Em termos de ruído, a avenida dos Campos Elísios em Paris também é péssima. Não que os carros circulem a velocidades maiores, mas por causa do piso. O piso da avenida (degradado e não renovado, não incentivando velocidades elevadas) é em paralelipípedos, o que, se por um lado convida a velocidades mais baixas, tem o lado negativo do grande ruído provocado à passagem dos veículos.