Circular em cadeira de rodas em Oeiras (17)

I
RUA MARQUÊS DE POMBAL
I
Não se pode dizer que, para os peões – e, designadamente, para aqueles que se deslocam em cadeira de rodas –, esta pequena e muito movimentada artéria central de Oeiras comece bem. Iniciamos a sua subida pelo passeio Sul e, logo no início, um sinal (de colocação muito recente) alinhado com um enorme painel camarário (permanente), reduzindo drasticamente a área útil do passeio…
I
I
…não prenunciam nada de bom.
I
Logo depois, qualquer veículo que estacione no passeio bloqueia facilmente a passagem de uma cadeira de rodas:
I
I
I
Poucos metros à frente, o sinal de zona 30, com a indicação “prioridade ao peão”…
I
I
…faz-nos imaginar um centro de Oeiras onde os veículos automóveis não podem circular a mais de 30 km/h e onde os peões têm prioridade sobre os automóveis. Na realidade, porém, a zona 30 e a “prioridade ao peão” só existem ao longo de alguns metros (na imagem anterior é possível ver, ao fundo – acima de um sinal de proibição de parar e estacionar –, o sinal que marca o fim dessa prioridade). A imagem anterior também permite perceber o motivo da “prioridade ao peão”: logo a seguir ao sinal, o passeio acaba e o peão só pode circular na faixa de rodagem.
I
Na prática, a “prioridade ao peão” é apenas virtual. Testámos inúmeras vezes o cumprimento dessa obrigação de prioridade por parte dos condutores e o resultado foi demolidor: nenhum condutor parou para nos deixar passar (essa era, aliás, também a nossa experiência anterior). Numa rua de trânsito intenso, os peões têm de esperar que não venham veículos para poderem prosseguir caminho.
I
I
Por vezes, e em maior consonância com a realidade das coisas, o sinal de “prioridade ao peão” encontra-se virado, não sendo visível pelos condutores:
I
I
A situação complica-se, naturalmente, quando o peão se desloca em cadeira de rodas. De resto, a seguir ao local onde o passeio desaparece, obrigando os peões a transitar na faixa de rodagem, estes podem regressar ao (estreito) passeio:
I
I
Mas como é percetível nesta imagem, as pessoas deslocando-se em cadeiras de rodas não o conseguem fazer.
I
De seguida surge um cruzamento, mas nem mesmo a seguir a esse cruzamento pode a cadeira de rodas voltar a circular no passeio: logo depois, surge um novo local onde o passeio desaparece e o peão tem de circular na faixa de rodagem:
I
I
I
I
Logo a seguir, o impensável: o passeio reaparece, mas a autarquia transformou-o num parque de estacionamento automóvel para cargas e descargas (e isto junto a uma passadeira!):
I
I
Quando há veículos estacionados neste passeio (o que acontece com frequência, e muitas vezes para outros fins que não o de cargas e descargas), muito dificilmente uma cadeira de rodas consegue passar.
I
I
I
I
Quando termina a “prioridade ao peão”, surge um novo estrangulamento no passeio, através do qual nenhuma cadeira rodas passa:
I
I
Segue-se um passeio estreito, impróprio para a circulação de cadeiras de rodas, que vai alargando ligeiramente até ao final da rua, no cruzamento com a Rua Cândido dos Reis, onde atinge a largura máxima de cerca de 1,1 metros.
I
I
O passeio Norte começa com uma largura de dois metros…
I
I
…mas que vai reduzindo progressivamente até se atingir uma largura de sessenta e poucos centímetros, delimitada por pilaretes, onde as pessoas que se deslocam em cadeira de rodas são excluídas…
I
I
…e onde ainda se teve a falta de bom senso de se colocar sinais de trânsito, diminuindo ainda mais a largura útil do passeio:
I
I
I
I
No segundo (e último) quarteirão desta pequena rua, o passeio é um pouco menos estreito, mas sempre com largura inferior a 1,2 metros (parte dele é, de resto, suficientemente estreita para impedir a circulação de uma cadeira de rodas).
I
I
I
A Rua Marquês de Pombal tem três passadeiras. Uma delas está ao nível do passeio, embora a autarquia tenha cometido o disparate de autorizar estacionamento automóvel junto a ela…
I
I
…e nas outras duas a altura do lancil do passeio excede o máximo admissível.
I
Conclusão: rua não acessível.
I
Mobilidade pedonal em geral: não é necessário referir em especial os casos dos invisuais, dos idosos e dos pais com carrinhos de bebé – para qualquer peão é difícil percorrer esta rua pelo passeio Sul, e o risco de atropelamento é bem real se o peão confiar no sinal de “prioridade ao peão”, sendo de salientar que passam aqui muitos veículos pesados, e a circulação faz-se frequentemente a velocidades perigosas para um local de "prioridade ao peão". A coisa melhora no passeio Norte, mas nos locais onde o passeio é muito estreito alguns carrinhos de bebé não passam, e há sítios onde só passa um peão de cada vez (no cruzamento de peões, um dos peões tem de ir para a faixa de rodagem). Há pelo menos dois locais onde, se o peão circular com um guarda-chuva aberto e ao lado passar um veículo pesado, o guarda-chuva será levado pelo veículo.
I
(continua)
I

2 comentários:

bicicleta disse...

Já há muito tempo que não vinha à nossa terrinha porque, precisamente, esta é a minha terrinha. Vivo em Oeiras e gosto muito de aqui viver, pelo que esta excelente reportagem me causa um misto de tristeza, frustração e irritação.
Às autoras, prometo que este é o último post a fazer publicidade ao passeiolivre.org.
Serve apenas para convidar quem esteja interessado a ajudar a tentar mudar alguma coisa, que contacte o blog até 4ª-feira à tarde.
RF

Joao disse...

Realmente é uma vergonha isto.
Muitos destes casos só se resolvem fechando as ruas aos automóveis.
Outros não é preciso tanto.
Vontade política é que é nenhuma, porque ninguém quer irritar os condutores, que é quase toda a gente que passa nessas ruas! Já para não falar nos comerciantes que são quase sempre contra cortar no trânsito, e cortar no estacionamento é completamente do outro mundo... impensável mesmo!