O enigma da bicicleta

I


Vila de Oeiras (região de Lisboa). Estes são os dois parques de "estacionamento" para bicicletas existentes junto da estação de caminho-de-ferro de Oeiras. 

As bicicletas não chegam a 10.

E este é o parque de estacionamento para automóveis existente junto da estação (vista parcial): 


E esta é apenas uma pequena parte dos automóveis estacionados em redor da estação...

Todos os dias sucedem-se os engarrafamentos a caminho da estação:


Toda a zona de Oeiras servida pela estação é praticamente plana. 

Tenho vizinhos que trabalham bem perto de casa, por exemplo no Instituto Gulbenkian de Ciência ou na Estação Agronómica Nacional: a menos de um quilómetro de casa. Alguns vão de carro.

22 comentários:

Anónimo disse...

Assisti nessa via para deficientes/bicicletas a uma senhora que ia nela com um carrinho de bebé e apareceu-lhe de frente um carro. Como o trânsito não andava, ela bloqueou o carrinho à frente do carro, e chamou a polícia. O motorista recebeu uma bela multa pela sua falta de civismo e a senhora fez aquilo que todos deveriam fazer.

Quanto ao estacionamento, estou bem me ralando que esses infelizes vão de carro até à estação. O problema é que os passeios à volta (especialmente na Rua das Palmeiras e outras) ficam inundados de carros durante todo o dia. A polícia sabe, a Câmara sabe, mas nada é feito.

Nuno disse...

Falta de educação, civismo mas também pura e simples burrice aliada a um falso comodismo...
São estas pessoas que pagam para ir pedalar sem sair do mesmo sítio à hamster nos ginásios.
Basta de laxismo por parte da polícia e de quem planeia urbanísticamente as cidades!!

SRT disse...

Eis como 4 fotografias e meia dúzia de frases bem escolhidas bastam para se fazer um grande post!

Anónimo disse...

«e simples burrice aliada a um falso comodismo...
São estas pessoas que pagam para ir pedalar sem sair do mesmo sítio à hamster nos ginásios.»

Acho que nestas duas frases disseste tudo Nuno...

Anónimo disse...

"São estas pessoas que pagam para ir pedalar sem sair do mesmo sítio à hamster nos ginásios."

E exigem estacionamento à porta para não se cansarem. E provavelmente escada rolante, como já vi na entrada de um ginásio numa foto que circulou na net :)

Anónimo disse...

Ana,
Adoro este blogue, sou visitante diária e acho que prestam um grande serviço a todos os níveis, não sendo o menor deles o de nos continuar a inspirar (ena, que frase confusa). Não obstante, acho que estas fotos não espelham a realidade diária. É frequente esses dois suportes (devíamos encontrar um bom nome para eles) de bicicletas estarem cheios; do lado sul, idem, aliás por falta de espaço já há quem amarre à vedação do murete.
por fim, já faz tempo que tenho pensado em sugerir-lhes uma outra reportagem (porque não, faça você mesmo, estará a Ana a pensar. Boa ideia!): quando regulamentaram o estacionamento (continuo a falar do lado sul) previram lugares até mesmo à passadeira de peões, isto é, o frequente "ir levar ou buscar alguém à estação" deixou de ter lugar para espera ou sequer para apeadeiro. O que sucede nas horas de ponta é uma imensa confusão com o perigo inerente dos peões não serem vistos por ficarem atrás de quem espera. Esta situação é bem mais sentida (e mais perigosa) no inverno em dias de chuva e com o anoitecer precoce. Ando há anos para escrever para .........quem? Câmara Municipal de Oeiras? PSP? Quem tem a responsabilidade de marcar os lugares de estacionamento?
Bom trabalho em qualquer dos casos!
Teresa

JMN disse...

Ricky T, o gajo que é tão culto, tão culto, que no último artigo sobre Évora disse isto: "Então agora os carros danificam os monumentos! Eh eh! E onde é que foi buscar essa parvoíce? Ficamos a aguardar que nos presente provas disso. Há cada um que só visto contado ninguém acredita! "

5 minutos depois eu (e outros) demos as provas que ele tanto pedia. Resposta dele?! Obviamente nenhuma, fez o que sempre fez quando comenta neste blogue: diz assim uma baboseira e depois foge.

Realmente, há cada um que só visto contado ninguém acredita!

JMN

JMN disse...

É pá, enganei-me no artigo onde queria comentar...peço desculpa!

Ana disse...

Obrigada, Teresa, e tem toda a razão: eu não diria que os suportes estão sempre cheios, mas, como diz a Teresa, muitas vezes estão quase cheios ou mesmo cheios e às vezes vêem-se duas ou três bicicletas presas aos postes ou às vedações. Eu não passo na estação todos os dias (felizmente, só vou a Lisboa muito de vez em quando) e foi neste dia que calhou tirar as fotografias.

Mesmo assim, contando as bicicletas estacionadas nesses dias, talvez não excedam as 10 (15?). A comparação com os automóveis estacionados continua a ser abismal.

E há, também, muitíssima gente que vai para a estação de autocarro. Infelizmente, os autocarros têm de enfrentar engarrafamentos todos os dias graças aos senhores automobilistas que estrangulam os acessos...

Quanto ao estacionamento autorizado até às passadeiras, já publiquei no blogue uns 5 ou 6 artigos sobre casos desses em Oeiras. O da estação é mais um para a lista de artigos a publicar e é, de facto, bem mais grave, pela quantidade de pessoas que circula aí a toda a hora... (a responsabilidade é da câmara).

Obrigada mais uma vez.

anabananasplit disse...

Há mais um parque do outro lado da estação, mas menos concorrido por causa da localização menos "vigiada". É frequente ver os parques do lado Norte completamente cheios e ainda bicicletas amarradas a postes ali na zona (nomeadamente no passeio do lado oposto ao da esquadra). Fotos ilustrativas aqui. A estação de Oeiras tem muito potencial para ser alimentada por deslocações em bicicleta, e merecia um interface melhor para os ciclistas (uma mini-estação de bicicletas). Ah, sonhos... :-)

Anónimo disse...

Tenho umas fotos tiradas ao pé da estação de comboios de Eindhoven, na Holanda. Bicicletas a dar com um pau. Lindo.

Maria disse...

Este "parque de estacionamento" de bicicletas está muito mal colocado, ou seja, está a ocupar o passeio que é para os peões! Ou só os carros é que não podem estar em cima dos passeios??!!

Anónimo disse...

Concordo plenamente. Deveria era estar na estrada a ocupar várias vagas de estacionamento de carros. Ou tb acha isso errado?

Miguel Cabeça disse...

Maria,

Tem toda a razão quando diz que o estacionamento para bicicletas está mal colocado em cima do passeio. Em Lisboa, no Chiado, foram colocados estacionamentos de forma correcta como se pode
ver aqui.

Percebi no entanto o tom do seu comentário ;-)

Cumprimentos
Miguel Cabeça

Maria disse...

Exactamente Miguel, esse estacionamento no Chiado está correcto. Era mesmo aí que queria chegar.
Quando se critica e muito bem, o estacionamento de carros em cima do passeio, não se percebe que coloquem esses estacionamentos para as bicicletas em cima dos mesmos e também que os ciclistas deixem passar tal coisa em branco não o criticando.
E viva a bicicleta! :)

Anónimo disse...

Infelizmente muitos ciclistas, inclusive aqueles que o fazem por razões ambientais e éticas, têm a tendência de deixar passar a ocupação de ciclovias dos passeios e do estacionamento de bicicletas no passeio. O que demonstra que quando o transporte individual é o deles, já faz menos mal!

madeinlisboa disse...

Caro anónimo das 19:06, não seja fundamentalista. A comparação que faz nem sequer é justa:
http://menos1carro.blogs.sapo.pt/214422.html

Anónimo disse...

Também é engraçado como ambos usam com facilidade a palavra "fundamentalista" quando se sentem tocados e sem razão. madeinlisboa acabou de me dar razão.

Anónimo disse...

Tem toda a razão Maria, é uma vergonha as coisas que se estão a fazer em Lisboa supostamente a favor da bicicleta! E são os ciclistas como o madeinlisboa que, de tão ecológicos, ficam em silencio perante estas barbaridades contra o espaço pedonal e os próprios ciclistas:
http://www.viverlisboa.org/?p=6925

E este artigo anterior nem mostra a abortandade da Av. do Brasil:
http://passeiolivre.blogspot.com/2010/02/caro-antonio-costa-trabalho-na-avenida.html

Esta é um verdadeiro atentado aos peões de Lisboa.

Também devo ser "fundamentalista"!

João B. Neves

Anónimo disse...

Não deixa de ser irónica a vossa "preocupação" com as bicicletas nos passeios, quando fecham a boca e viram os olhos ao terem de desviar-se para a estrada devido a um carro no passeio.

Só mesmo neste país onde parece existir um ódio ou fobia a bicicletas é que vejo criticar um ou outro ciclista que até anda no passeio com medo de ser atropelado, mas fecha-se a boquinha e os olhinhos aos milhares de carros parados em cima dos passeios. Vá lá entender este povo. Triste e patético.

Anónimo disse...

Caro anónimo, como pode ter reparado coloquei um link para o Passeio Livre. Sou comentador habitual do blog e já até enviei fotografias. Já escrevi muito mais contra os carros no passeio que contra as bicicletas no passeio. Aliás se me recordo, esta é a primeira vez que escrevo sobre isso, enquanto sobre os carros no passeio já escrevi dezenas de vezes e muitas delas para autoridades.

Portanto antes de me acusar de falta de coerência e generalizar. Só decidi intervir aqui por causa da resposta "defensiva" e inaceitável do madeinlisboa e por já ter reparado que infelizmente é assim que pensam quase todos os ciclistas - felizmente nem todos.

João B. Neves

Micael Sousa disse...

O enigma ou o estigma das bicicletas? Já presenciei pessoas a criticar outras por se deslocarem em bicicletas, argumentando que é ridículo.
Ridículo são argumentos dessa natureza e profundidade intelectual, já para não falar do ponto de vista cívico e de consciência ambiental.

Novamente um Excelente texto. Parabéns